7 Outubro 2017 - Salão de São José – Academia das Expressões

AULAS

10:00 – Dança Indiana – Marta Portugal (duração: 01h15)
11:30 – Danças de Salão – Dário Pacheco (duração: 01h15)
14:30 – Dança Cigana Romani – Marta Portugal (duração: 01h15)
16:00 – Kizomba – Marta Portugal e Ivanoel Tavares (duração: 01h15)
18:30 – Danças de Salão – Dário Pacheco (duração: 01h15)
20:00 – Danças do Mundo – Luís Moura (duração: 01h15)

VER MAPAS  

DANÇA INDIANA BOLLYWOOD – MARTA PORTUGAL
O termo Bollywood provém do nome Bombaim e Hollywood, e representa a maior indústria de cinema na indiano. Muitas das danças que caracterizam este estilo fazem a  interpretação da ação apresentada no filme através de sequências de movimento com mudanças muito dinâmicas. Este workshop convida a celebrar este estilo de dança numa experiência energética, ritmada e com um caráter propício para a narrativa, acompanhadas por canções típicas destes filmes.

DANÇA CIGANA ROMANI (Dança originária da Roménia e Rússia) – MARTA PORTUGAL
Este workshop nasce da pesquisa do movimento rom (cigano) e abraça, entre a tradição e a originalidade, uma dança plena de ritmo, força e poesia. Visa incentivar a imaginação criativa de cada um e desafiar as capacidades rítmicas e comunicativas, onde a aprendizagem se funde ao  ‘universo lúdico’ do grupo. Procuraremos uma sinergia das danças femininas e masculinas do povo rom, criando um estilo zíngaro com fortes bases tradicionais e ao mesmo tempo ousado e próprio.

KIZOMBA – MARTA PORTUGAL E IVANOEL TAVARES
Neste workshop, dedicado a sociabilizar através de danças a par, convidamos as pessoas a experenciarem Kizomba.
Serão abordados passos e movimentos que caracterizam as raizes desta expressão africana assim como exercícios dinâmicos que sensibilizam a harmonia na dança a par. Tem por objetivo incorporar a técnica num ambiente de aprendizagem em convívio, criar momentos interactivos e dinâmicas relacionais em grupo e a pares.

MARTA PORTUGAL
Licenciada em Dança e atualmente frequenta Mestrado em Ensino de Dança na Escola Superior de Dança. Diploma em  Danças Tradicionais portuguesas e internacionais pela FMH. Dedica-se a Danças do Médio Oriente, África e Danças Romani há mais de 15 anos em diferentes países, valorizando a sensibilização de expressões tradicionais e contemporâneas.
Participou no Documentário “Filhos do Destino”, do realizador José Meireles, sobre música e dança rom na Roménia, estreado na RTP2 e ante-estreia na Cinemateca de Lisboa; Comentadora, no debate “Vidas Ciganas” de ACIDI (Alto Comissariado para Imigração e Diálogo Intercultural); Bailarina no filme “Mistérios de Lisboa” do cineasta Raúl Ruiz; bailarina no filme CCB 20 anos do realizador Rui Peralta; bailarina no espetáculo “Muloma” de Dança afro-Contemporânea de Kwenda Lima com estreia na Assembleia Nacional de Cabo Verde. Actuou em Portugal,  Cabo Verde,  Marrocos, Roménia, Turquia, Senegal, entre outros. Foi Júri no Concurso Nacional de Dança Oriental em Portugal; Lecciona/ou aulas e cursos de Dança em várias escolas e festivais de Dança;

IVANOEL TAVARES
Ivanoel Monteiro Tavares, conhecido como “Belas”, nasceu na Guiné-Bissau e veio apenas com 3 anos para Setúbal, onde vive até hoje. Em 2014, recebeu um convite do “Paulo Magalhães Productions” (Organizador da Africa a Dançar) para se juntar ao show “As 7 maravilhas de Angola”. Durante sua permanência em Luanda, fez um Curso Intensivo de Kizomba com o Professor Osvaldo Lima e obteve o certificado “Kizomba Dancers”. Participa regularmente em várias oficinas e aulas com os melhores professores de Kizomba na Europa e no mundo, como o Avelino Chantre; Pedro Vieira “Petchu”; Zé Rui; Tony Pirata; Issac Barbosa, entre outros. Muitas vezes é convocado por “Paulo Magalhães Productions” para se apresentar como Dançarino durante os shows de famosos músicos de Kizomba como C4 Pedro, Big Nelo e Anselmo Ralph.
Profissionalizou-se em Danças Tradicionais Africanas em 2008.
Além das danças africanas, possui o diploma em Dança como resultado de participar durante 9 anos do Conservatório de Dança Contemporânea de Setúbal e, em 2015, foi o finalista do concurso de TV “So You think can Dance” (Edição Portuguesa). E em 2017 ficou em 2º lugar no “Let’s Dance”. Desde 2012, trabalha como Bailarino Profissional para diversas Companhias de Dança e atua em Portugal e no exterior.

DANÇAS DE SALÃO – DÁRIO PACHECO
Danças de salão Latinas, 5 aulas, 5 ritmos, Chá-chá-chá, Samba, Jive, Salsa e Pasodoble. Aprender os passos elementares destes 5 ritmos latinos, culminando em 5 coreografias após o workshop. Para estas aulas em modalidade de workshop não será necessário par para participar, esquemas de grupo e a par conforme o grupo.

DÁRIO PACHECO
Torres Vedras, 1987, licenciado pela Escola Superior de Dança de Lisboa em 2010, tem desenvolvido o seu trabalho enquanto professor, coreógrafo, intérprete e Videasta. Desde 2007, desenvolve trabalho com outros artistas de dança, teatro, vídeo e cinema: Aldara Bizarro (“Jungle”), Bruno Rodrigues (“Time About Time”), Guillermo Weickert (“Corpo Emprestado”), João Botelho (“A Corte do Norte”), John Romão (“Uma Etiqueta de Dor”), José Gonçalves (Colectivo F5), Raúl Ruiz (“Mistérios de Lisboa”), Sara Barros (“Seven”), Teresa Ranieri (“This way”), Willi Dorner (“Bodies in Urban Spaces”), Daniel Cardoso (“Grey Gardens”), Elson Marlon Ferreira (“R/C esq. APE”), Margarida Belo Costa (“fall out”), on ragul º1 o 2002 me uohnaG
.sortuo ertne ,)”srecnaD”( avliS ad oinótnAranking em danças latinas pela Federação de dança desportiva Portuguesa, a Melhor Curta metragem Portuguesa em 2013 pelo Queer Lx e o seu trabalho de videasta já foi reconhecido a nível internacional, tendo sido apresentado em Portugal, Áustria, Turquia, Chile, Argentina, França, Itália, USA, UK e Brasil.

DANÇAS DO MUNDO – LUÍS MOURA
As danças do mundo são formas de expressão cultural dos povos das mais diversas regiões onde o ser humano criou costumes. Estas danças de raiz popular, foram sendo partilhadas ao longo da história, através dos fluxos migratórios, pelo que hoje dançamos na Europa tangos argentinos, salsas cubanas ou kizombas africanas, a par com as valsas polacas, as bourrés francesas, as tarantelas italianas, as rumbas espanholas ou os viras e malhões portugueses.
É esta viagem cultural que se propõe numa oficina de danças do mundo.
Com incidência particular nas danças tradicionais europeias e com nota de destaque para as portuguesas, tentaremos viajar ao ritmo do “folk”, entre danças sociais, de grupo e a par.

LUÍS MOURA
Nascido em 1971, em Amarante, integrou o Rancho Folclórico da sua aldeia (Lomba) durante a sua infância e adolescência, onde inicia a sua formação nas danças tradicionais da Região (Entre Douro e Minho). A partir de 1993, em Lisboa, frequenta formação em diversos estilos de dança, nomeadamente, latinas e sevilhanas (na discoteca “Salsa Latina”), africanas (no espaço “B.Leza”) e tango argentino (na escola “Pé de Dança”). Em 1998, tem contacto, pela primeira vez, com o festival “Andanças” (em São Pedro do Sul), como “participante” e nos anos seguintes como “voluntário”, passando a fazer parte da “organização” deste festival, entre os anos de 2000 e 2003, enquanto membro da Direção da associação “PédeXumbo” (Évora). Em 2001, participa como “monitor de danças” (tradicionais portuguesas) no “Grand Bal de l’Europe”, em Gennetines (França), o que repete nos anos de 2002 e 2004. Em 2003, participa no “Forum Social Mundial”, em Porto Alegre (Brasil), onde, em representação da Ass. “PédeXumbo”, dinamiza uma “oficina de danças do mundo”. Entre 2007 e 2009 dinamiza mensalmente, no espaço “Arco8”, em Ponta Delgada (Açores) aulas e bailes de “danças do Mundo” e participa nas edições desses anos do festival “Green trippin” (Sete Cidades – Ponta Delgada), onde dinamiza igualmente “oficinas de danças do mundo”. Em 2009 coordena um coletivo de associações que organizaram nesse ano, no Jardim António Borges (em Ponta Delgada), a primeira edição do “Dançarilhas”, um festival de danças do mundo. Em 2010, radica-se em Braga e começa a explorar as tradições minhotas, percorrendo as mais emblemáticas “Romarias” da região, entre elas, as “Feiras”.

Obrigatório aquisição de pulseira geral e inscrição prévia.
Pulseira geral 35€ (dá acesso a frequentar todas as aulas e o baile de encerramento).
À venda na Academia das Expressões a partir de 25 de Setembro.

Só inscrição sem pulseira não dá acesso às aulas.
A aquisição de pulseira sem inscrição fica limitada ao numero de vagas disponíveis na hora da aula.
As aulas apresentam um regulamento interno.

 
Obrigatório aquisição de pulseira geral e inscrição prévia.
Pulseira geral 35€
(dá acesso a frequentar todas as aulas, excepto dança criativa, e baile de encerramento).
Valor da aula de dança criativa – 3€
À venda na Academia das Expressões a partir de 25 de Setembro.
Duração | 1h15m

AULAS

09:30 – Criativa Circense – André Nunes e Ana Pontes (duração: 01h15)
11:30 – Dança Contemporânea Nível I – Liliana Garcia (duração: 01h15)
14:30 – Contacto Improvisação – Sérgio Diogo Matias (duração: 01h15)
16:00 – Dança Contemporânea Nível II – Liliana Garcia (duração: 01h15)
18:30 – Teatro Físico – Nuno Labau (duração: 01h15)

CRIATIVA CIRCENCE (crianças) – ANDRÉ NUNES E ANA PONTES
Esta aula tem como objetivo propor aos alunos uma descoberta do corpo através do movimento acrobático e das potencialidades expressivas e criativas. Serão desenvolvidos diversos exercícios de trabalho de chão, contacto e acrobacias adaptáveis a dança.

ANDRÉ NUNES
Tem formação profissional nas artes do espetáculo pela EPAOE – Escola Profissional de Artes e Ofícios do Espetáculo (Chapitô, 2008 – 2011) e na dança contemporânea na ESD – Escola Superior de Dança (2011 – 2014). Na sua vida profissional trabalhou em várias áreas no mundo do espetáculo, desde a dança com Amélia Bentes e Amálgama Cia. de Dança; ao cinema com Miguel Clara Vasconcelos; à performance com Ana Borralho e João Galante; entre outros. Na sua vida profissional também tem tido experiências como formador, do circo a dança contemporânea. É membro fundador da Associação Vaca Magra.

ANA PONTES
Licenciada em Dança (2014),pela Escola Superior de Dança. Iniciou os seus estudos na dança e na ginástica acrobática, na Escola Vocacional de Dança, CFA,Soc.Fil.Gualdim Pais, em Tomar.
Aos 18 anos ingressa na escola Chapito (E.P.O.E).
Frequentou o Circus Space (Conservatorie for Dance and Drama- Central School of Ballet), em Londres, no ano 2009. Participou como bailarina e acrobata no musical “Peter Pan”, no Tivoli. As suas técnicas como trapezista levaram-na a voar na apresentação Internacional das “7 Maravilhas do Mundo” em 2007. O sorriso e o jogo na vida levaram-na a iniciar um processo de criação de uma linguagem própria, articulando assim o teatro, a dança, malabarismo e acrobacia. Nasce a Clown Annuska Pirate que a levou ao Hospital Red Cross Children’s em Cape Town – África do Sul, em 2007. Em 2012 trabalhou com a Companhia Teatro do Mar com o espetáculo “Solum”; Em 2013, trabalha como intérprete no espetáculo “Arraial”, dos Circolando, sob a orientação da Madalena Vitorino, no Festival TODOS – Caminho de Culturas. Também nesse ano, recebe o convite do Chapitô para criar um espetáculo para crianças, com colaboração do BES. Em 2014, colaborou como bailarina em dois espetáculos do Projeto Compota- Sentidos Ilimitados. Ainda nesse mesmo ano, fez parte da organização coreográfica como assistente e bailarina da coreógrafa Will Rockey para a apresentação da Champions League. Em 2016, esteve como bailarina na Companhia Amalgama, espectáculo “Conferência dos pássaros”, inserido no programa UNITYGATE.

Faixa etária: 7 aos 12 anos

TEATRO FÍSICO – NUNO LABAU
Uma aula com foco no movimento, utilizando técnicas de construção de personagens do teatro-físico, da Comédia d´El Arte, e Clown. Visa a consolidação das capacidades interpretativas do performer, ou um momento lúdico de diversão para perder o medo do ridículo.

NUNO LABAU
A sua formação principal assenta nas artes circenses, na EPAOE – Escola Profissional das Artes do Espetáculo (Chapitô), tendo, ainda, estagiado na companhia Português de Bailado Contemporâneo onde pode estudar e praticar o trabalho de coreógrafos como Benvindo Fonseca, André Mesquita, Vasco Wallencamp e etc. Estudou Teatro com Bruno Schiappa, praticou danças de Salão, bem como Dança Tradicional, durante 10 anos. É bailarino para a coreógrafa Amélia Bentes no espetáculo Eternuridade, criou a peça Violência das Coisas Insensíveis, que estreou em Torres Vedras, e que terá uma apresentação no festival de Dança de Almada em 2017. Atualmente é presidente da Associação Vaca Magra.

DANÇA CONTEMPORÂNEA – LILIANA GARCIA
O trabalho que será desenvolvido nestas aulas está relacionado com as formas mais básicas de Floorwork (movimento pelo chão). Centrando-se na perceção que o aluno tem do seu próprio corpo e nas suas variadas características – peso, forma, dimensão, estrutura, etc. – o processo de evolução é realizado através de junções coreográficas construídas com organicidade de movimento de passagem pelo chão, permitindo ao aluno adquirir noção da força que necessita para exercer determinado movimento, tornando o corpo mais ágil.

LILIANA GARCIA
Inicia os seus estudos na dança através do Hip hop, alcançando diversos prémios nas mais variadas competições. Ingressa na Escola Superior de Dança em 2007 terminando a licenciatura em 2016.Durante os 8 anos em que interrompeu os estudos foi interprete convidada no projeto Feinprobe Honigsüss – The oversweet Experience, The movement of our roots, em Lutherstadt Wittenberg, Alemanha (2008/2009/2010). Integra o elenco da Companhia Olga Roriz, na peça “A Sagração da Primavera”, 2009 . Assistente de direção e Interprete da Peça “ Apesar de..” de Ximene Barbosa, Produzida por Schmetterling Companhia de Dança Aérea, 2010 . Intérprete nas peças “Fuga sem fim..” e “ A Ballet Story” de Victor Hugo Pontes, “Cult”,”Fragments” e “ Under a Rock” de Hofesh Shechter (Companhia Instável, 2012) , “Azul Infinito” de Thora Jorge (Teatro Tempo ,2012). Criadora da peça “Vanilla?…Not!” em parceria com André Araújo, apresentada no contexto do ciclo dos Palcos Instáveis em 2013, Teatro do Campo Alegre. Intérprete na criação de Tiago Rodrigues, “Assim tipo..Dança Contemporânea” ,2013. Intérprete aérealista nos espetáculos de circo contemporâneo “Estratos” dirigido por Nuno Preto para o Prémio Nacional de Industrias Criativas (2014), “Perto do Chão” da Cia Erva Daninha para o projeto Locomotiva (Porto Lazer, 2015) e na 13º Criação da Companhia Erva Daninha “Nozes a quem não tem dentes”, dirigido por Vasco Gomes (TCA, Porto 2015). Vencedora do programa televisivo “Achas que sabes dançar?”, 2015. Em 2016 apresenta dois solos de circo contemporâneo “Femme Fatale” e “Fille dans le vent”. Actualmente frequenta o Mestrado de Criação Artística Contemporânea, Universidade de Aveiro.O trabalho que será desenvolvido nestas aulas está relacionado com as formas mais básicas de Floorwork (movimento pelo chão). Centrando-se na perceção que o aluno tem do seu próprio corpo e nas suas variadas características – peso, forma, dimensão, estrutura, etc. – o processo de evolução é realizado através de junções coreográficas construídas com organicidade de movimento de passagem pelo chão, permitindo ao aluno adquirir noção da força que necessita para exercer determinado movimento, tornando o corpo mais ágil.

CONTACTO IMPROVISAÇÃO – SÉRGIO DIOGO MATIAS
Será desenvolvida uma prática física baseada nos materiais da peça MASS | MESS, apresentada no contexto do Paralelo Festival de Dança. As aulas irão basear-se em exercícios de contacto improvisação bem como possíveis propostas de composição a partir dos estímulos sugeridos na peça.

SÉRGIO DIOGO MATIAS
Sérgio Diogo Matias iniciou os seus estudos nas artes plásticas e em 2008 e 2010 ingressa na licenciatura de Interpretação/ Criação da Escola superior de Dança – Instituto Politécnico de Lisboa. No último ano da licenciatura Frequenta a ArteZ Hogeeschool, em Arnhem sendo bolseiro do programa Erasmus e em 2013/ 2014 é aluno do curso do Fórum Dança, PEPCC. Como intérprete destaca colaborações com Amélia Bentes, Miguel Pereira e o Ballet Contemporâneo do Norte. Em 2014 é cocriador de Pastiche em colaboração com Luiz Antunes, projeto financiado pelo programa de bolsas de apoio à criação em dança pela Fundação Calouste Gulbenkian. Em Abril de 2017 apresenta nos Palcos Instáveis uma colaboração com Filipe Moreira, CASULA. Atualmente colabora com a Associação A Vaca Magra, bem como desenvolve o seu próprio trabalho coreográfico em parceria e individualmente. MASS|MESS é um dos seus trabalhos enquanto criador e Preto sobre Preto (título provisório) é uma proposta coreográfica dirigida a Carlota Lagido.

Obrigatório aquisição de pulseira geral e inscrição prévia.
Pulseira geral 35€ (dá acesso a frequentar todas as aulas e o baile de encerramento).
À venda na Academia das Expressões a partir de 25 de Setembro.

Só inscrição sem pulseira não dá acesso às aulas.
A aquisição de pulseira sem inscrição fica limitada ao numero de vagas disponíveis na hora da aula.
As aulas apresentam um regulamento interno.

 
Obrigatório aquisição de pulseira geral e inscrição prévia.
Pulseira geral 35€
(dá acesso a frequentar todas as aulas, excepto dança criativa, e baile de encerramento).
Valor da aula de dança criativa – 3€
À venda na Academia das Expressões a partir de 25 de Setembro.
Duração | 1h15m